Thursday, August 20, 2015

Requiescat in Pace:Crônicas da Cidade dos Mortos. Capítulo 3

As horas passam rápido quando se deseja que o tempo pare, não é mesmo? A presença de Berenice provocava esse sentimento em mim. Podíamos ficar horas conversando sobre os mais variados assuntos. Com ela, a prosa era sempre interessante e não era raro que uma mesma questão me fosse apresentada de um ângulo diferente, inusitado.
Minha jovem interlocutora tinha uma forma de ver o mundo que nunca teria me ocorrido. Isso, por si só, já era bastante estimulante, mas Berenice também sabia ouvir com uma rara sensibilidade. Em minhas assertivas, podia perceber sua atenção plena, calcada num interesse genuíno por minhas palavras. Isso me envaidecia, é claro. Tanto era verdade, que tinha que me esforçar por manter meu maltratado ego sob controle.
Felizmente, a partir dessa noite, nossas conversas tinham sempre um interlúdio de carinho e beijos furtivos, trocados nas sombras entre os túmulos. Nada me dava mais