Sunday, June 26, 2016

Folia na Roça

Ele era conhecido nas redondezas onde morava como Zé Biguá. O Zé era uma escolha da mãe, devota de São José. O complemento nada tinha a ver com o pai, nem tampouco com a ave homônima. Ficava por conta de certo hábito que ele tinha em sair correndo para a privada logo depois de uma refeição. A rima que resultou das galhofas que o acompanhavam nessas ocasiões acabou por lhe conferir a alcunha que ele passou a carregar desde menino. Mas deixemos os detalhes sórdidos de lado e atemo-nos à história de Zé Biguá, um caipira cheio de esperteza que um dia saiu de casa disposto a conquistar o mundo.
E foi com essa disposição que Zé Biguá acabou por se encontrar no grupo selecionado para trabalhar como peão na fazenda Santa Rita, em Araçatuba. No primeiro dia, os peões contratados foram divididos entre as funções que iriam desempenhar. À Zé Biguá coube cuidar dos touros reprodutores da fazenda, na ingrata função de apontador. Quando soube do que se tratava, Zé Biguá pensou em desistir. Ajudar o touro a encontrar o caminho para cobrir a vaca não era o trabalho que sonhava. Apesar disso, acabou ficando. Precisava do emprego e, afinal, havia trabalhos piores na fazenda.

Thursday, June 23, 2016

Sob o Olhar das Estrelas Ca. 7

Subitamente, sem que ele pudesse esboçar qualquer reação, é banhado por um facho de luz e perde a consciência. Acordou horas depois, deitado num divã. Estava num aposento circular, sem portas aparentes. Tinha apenas uma janela de formato oval. Não havia qualquer som perceptível, mas ele podia sentir uma ligeira vibração. Isso lhe dava uma sensação estranha, como se estivesse num carro em movimento. Ainda confuso, aproxima-se da janela e se assusta com o que vê. Na imensidão escura do outro lado ele vê o reflexo azul da Terra e se emociona, ao perceber que o seu mais delirante sonho se tornou realidade.

Monday, June 20, 2016

Poemas & Blues


A conversa estava se estendendo mais que o habitual. Isso era um indício seguro de que algo incomum estava acontecendo. Sua mulher não costumava demorar-se em conversas telefônicas. Geralmente era lacônica e preferia usar frases curtas e objetivas, um hábito desenvolvido no banco onde trabalhava. Eficiência era uma busca permanente em sua trajetória profissional. Uma obsessão que havia se traduzido em sucessivas promoções na sua carreira, além de um afastamento progressivo entre eles. Ao contrário dela, ele optou por abandonar uma promissora carreira na advocacia, para dedicar-se a um vago projeto literário.
A demora naquela conversa telefônica indicava algum elemento fora da zona de previsibilidade em que Luciana costumava gerir sua vida. Situações atípicas a irritavam, a menos que se referissem aos sobressaltos do mercado financeiro. Esse era um jogo que ela adorava.
Desta feita, entretanto, o seu tom de voz ligeiramente acima do normal denotava uma irritação controlada. Isso significava problemas. E se Luciana tinha problemas, ele teria mais problemas além do habitual na relação fria que mantinham. Assim apurou os ouvidos e preparou-se para uma possível tempestade.